terça-feira, 26 de julho de 2011

Projetor Livens

post-163-1144750847Livens_and_Projector 06-livens-projector (1)

Usado pelos Britânicos, o projetor Livens era basicamente um tubo de aço de uns 25 cm de diâmetro, enterrado no solo, com a boca saindo na superfície. Uma pequena carga propulsora era colocada no fundo do tubo e sobre ela um tambor de metal no qual continha uma pequena carga explosiva e grande quantidade de gás venenoso. O sistema era barato de fabricar e eficaz, com um efeito mortífero quando centenas destes petardos caiam em meio a infantaria inimiga. Eram enterrados atrás das trincheiras de linha de frente e acionados por disparadores elétricos interligados por um fio. A carga elétrica necessária era fornecida por um gerador acionado por manivela. Estes projéteis eram bastante silenciosos, apenas um clarão denunciava seu lançamento e, em poucos segundos, caiam em território inimigo liberando sua carga atroz entre os soldados.

domingo, 24 de julho de 2011

Lança Chamas Livens

flame-thrower-LARG_1632599a
Este lança-chamas gigante Britânico, idealizada pelo oficial  William Howard Livens, foi utilizado em 1916 na Batalha do Somme e em 1917 na Bélgica. Duas das armas no Somme foram destruídas por bombardeios alemães antes que eles pudessem ser usados, mas os outros dois foram usados ​​no início da ofensiva. Sua utilização é uma explicação possível para ajudar a entender o sucesso dos britânicos nos setores específicos da frente onde foram utilizados; nestes casos as perdas britânicas foram relativamente baixas. A arma tinha o comprimento de 17 metros, pesava 2.500 kg. e necessitava de 300 homens para sua instalação. Foi projetado para ser instalado em um túnel escavado na “terra de ninguém” que deixava exposto apenas o bico do qual sairiam as chamas; após instalada 8 soldados eram responsáveis pelo seu manuseio. O combustível era enviado para um tubo com 360 mm de diâmetro que, através de ar comprimido, era empurrado para um bico que dirigia as chamas para o alvo. Na batalha do Somme teve a alcunha de o “Dragão do Somme”

sábado, 23 de julho de 2011

Granada Mills

Bombing Mills_Partyweapon_no5millsbomb_1No_5_Mills_Bomb_Grenade

A granada Mills foi desenhada, em 1915, por Williams Mills e usado pelo Exército Britânico durante o conflito com a denominação de “Mills Bomb nº 5”. Seu design é a clássica forma de “abacaxi” feita de ferro fundido com ranhuras ; embora estas ranhuras ajudem na fragmentação quando a granada explode, no projeto de Mills elas tinham a função de proporcionar uma melhor aderência no seu manuseio. A Mills era uma granada defensiva, após ser jogada o soldado devia se proteger da explosão decorrente. Um soldado bem treinado conseguia arremessar a granada à uma distância de 30 metros com razoável precisão. Estima-se em 75.000.000 o número de granadas produzidas entre os anos de 1915 à 1918. Pesava em torno de 630 g. e tinha 70 gramas de carga explosiva. Seu raio de ação efetivo era de 10 metros em seu entorno com fragmentação de, mais ou menos, 40 pedaços de ferro. Seu comprimento era de 10 cm e diâmetro de 6 cm.

domingo, 10 de julho de 2011

Holofotes

antizep holof_III germwwi feb01614

À noite, como o canhão dependia de pontaria visual, tornava-se vital iluminar o alvo e, sendo assim, desenvolveram-se os holofotes. Ligados as detectores sonoros, quando a equipe de som descobrisse o alvo e indicasse que ele estava dentro do raio de ação, a luz era dirigida ao rumo e elevação do alvo descoberto esperando iluminá-lo. Caso não localiza-se o alvo imediatamente o holofote fazia uma varredura na área indicada. Assim que se conseguia iluminar o alvo outros holofote se juntavam ao primeiro e, quando isso acontecia, era difícil que a aeronave conseguisse escapar das luzes. Os exércitos envolvidos no conflito eram supridos com equipamentos de holofotes móveis; na maioria dos casos eram caminhões ou automóveis que rebocavam os holofotes e carregavam geradores que funcionavam com a força vinda do motor do veículo.

76 mm M1900 Putilov

Красные у бронепоезда 76mmputilov

O Putilov M1900 foi um canhão de campanha utilizado pelo Império Russo. Seu sistema de recuo usava como força motriz borrachas que eram comprimidas e repeliam o canhão a sua posição original após ser disparado. Disparava granadas de 6,8 kg. à uma velocidade de 595 m/seg. que lhe proporcionava um bom desempenho durante a batalha, porém era pesado demais e não tinha um escudo de proteção para seus artilheiros.

Calibre: 76,2 mm
Peso: 4.430 kg
Comprimento do Cano: 314 mm
Alcance Máximo: 8.500 m
Ângulo de Elevação: –6º à 11º

Prieur Rockets

le_prieur_n11_1_rosebud_500 le_prieur_test_1_500 0le_prieur_1 le_prieur

O Prieur (em francês Prieur Fusées) foi um foguete incendiário ar-ar inventado pelo oficial da Marinha Francesa Yves Le Prieur Paul Gaston, daí seu nome, e utilizado pela primeira vez na batalha de Verdum em Abril de 1916. Os foguetes eram essencialmente um tubo de papelão preenchidos com 200 gramas de pólvora negra com uma cabeça cônica de madeira na sua parte posterior e uma lâmina de forma triangular inserida em seu ápice formando uma ponta de lança. Uma vara de madeira com cerca de 1,5 m era acoplada ao foguete se estendendo para trás à partir da base do mesmo e instalada nas hastes de sustentação das asas da aeronave. Os foguetes eram disparados eletricamente, um a um, através de um interruptor instalado no cockpit da aeronave. Este disparo deveria ser feito quando a nave atingisse um ângulo de 45º em mergulho. Como eram muito imprecisos, a distância para disparar os foguetes não poderia ser superior a 130 metros; quanto mais íngreme a posição de ataque maior seria a chance do piloto acertar seu alvo. Os aviões podiam levar de 5 a 10 foguetes em cada missão e obtiveram algum sucesso na derrubada de balões de observação; também foram utilizados para defesa contra os raids de Zeppelins, porém nunca conseguiram abater nenhum.

terça-feira, 5 de julho de 2011

Albatros DV

albatros DVAd5dv_jasta12 alb_dv

O Albatros DV foi uma avião de caça monoposto utilizado pela Luftstreitkräfte (Força Aérea Imperial Alemã) que entrou em serviço em Abril de 1917. Apesar de ser o projeto final da linha de aviões Albatros, esta aeronave apresentou várias falhas em seu projeto, principalmente em sua área estrutural. Era lento nas manobras e seus controles pesados para serem operados. Causou grande desânimo entre os pilotos Alemães mais experientes, dos quais de destaca Manfred Richthofen, o Barão Vermelho. Tinha como propulsão um motor Mercedes DIII de 6 cilindros refrigerado a água de 180 hp (134 kW) com o qual atingia a velocidade máxima de 187 km/h e autonomia de vôo de 2 horas. Como armamento era dotado de 02 metralhadoras fixas de 7,92 mm LMG 15/08 na parte frontal.

Peso: vazio: 687 kg; carregado: 937 kg
Comprimento: 7,33 m
Altura: 2,70 m
Envergadura: 9,04 m
Área Alar: 21,20 m²
Teto de Serviço: 5.500 m
Razão de Subida: 1.000m em 4:20 min

Ducrest 65 mm Mle. 1906

 2w6ezh3 nvczds canonde65

O Ducrest, canhão de montanha Francês, era uma arma notável , usando um sistema  de recuo diferencial. Este sistema de recuo consistia em puxar o cano do canhão contra uma mola poderosa, ou ar comprimido e travá-lo na posição “totalmente recuada”. Ele  então era carregado e, ao acionar-se uma alavanca, o canhão saltava a frente à pressão da mola ou do ar, até chegar a posição “avançada”. Frações de segundos antes de chegar a esta posição, ele disparava e, assim, a força da explosão tinha primeiro de deter a massa do canhão que se deslocava para frente e inverter seu movimento fazendo-o recuar. Devido a esse sistema  o mecanismo de recuo podia ser simples e leve, pois a maior parte do trabalho era deter o deslocamento do canhão para frente e inverter seu movimento. Quando recuava totalmente era retido e fixado novamente na posição recuada, pronto para novo disparo. O único problema era que, se o cartucho não detonasse a força de impulsão da mola ou do ar comprimido fariam que ele embicasse no solo e além disso seu sistema de ajuste de pressão da mola ou do ar requeriam um excelente ajuste. Podia ser dividido em quatro partes e, em terrenos montanhosos, estas partes eram transportadas por mulas.

Calibre: 65 mm
Peso: 400 kg
Comprimento do Cano: 1,30 m
Ângulo de Elevação: -9º à 35º
Cadência de Tiro: 18 p/min
Velocidade do Projétil: 330 m/s
Alcance: 6.500 m

sábado, 2 de julho de 2011

Whippet Mark B

MediumMarkB3 Wjppet Mk_B

O Mark B foi um tanque médio projetado pelo Major Britânico Walter G. Wilson usando como base o Whippet Mark I. Tinha como inovações: dois tanques de combustível, com capacidade de 286 litros cada, e o motor em um compartimento separado na parte de trás do veículo. Outra inovação foi sua capacidade de lançar uma cortina de fumaça composta por ácido sulfônico o qual estava localizado em um reservatório ao longo de seu cano de descarga. O armamento era composto por, no máximo, cinco metralhadoras Hotchkiss de calibre .303 em sua torre e duas metralhadoras nas portas laterais; todas eram removíveis. Logo depois de entrar em uso foram constatados, apesar de seus avanços em seu design,  graves defeitos em seu projeto o que fez que logo caísse em desuso sendo cancelado sua construção; (dos 450 pedidos, apenas 102 foram construídos). Entre as razões para isso estavam: a localização do compartimento do motor que, em caso de alguma pane durante o combate, era de difícil acesso, sua pouca velocidade, a dificuldade em transpor os terrenos acidentados e também o espaço exíguo para sua guarnição, que era composta por quatro soldados.

Peso: 18.000 kg
Comprimento: 6,90 m
Largura: 2,70 m
Altura: 2,60 m
Blindagem: 6-14 mm
Propulsão: 01 motor de 4 cilindros com 100 hp (100 kW)
Velocidade Máxima: 10 km/h
Autonomia: 105 km